quinta-feira, setembro 03, 2009

Solidão na idade da sabedoria…



"Quando morre um idoso, perde-se uma biblioteca." (Provérbio indiano).

Será coincidência eu ter escolhido um provérbio indiano para começar este meu texto? Não, não foi. A Índia, apesar de ser considerado uns pais de 3º Mundo, está a anos-luz à nossa frente no que diz respeito à maneira como trata os seus idosos.

Os idosos e o respeito que os indianos nutrem por este são o pilar da sua cultura. Os mais velhos são a força condutora de qualquer família e, logo, o amor e respeito que sentem vem de dentro, do mais fundo do ser. Tradicionalmente, os indianos pedem a bênção aos mais velhos tocando nos pés, demonstrando assim o seu respeito pelos caminhos percorridos até então.

Em contrapartida, aqui em Portugal não vejo terem esta consideração com aqueles que já palmilharam os tortuosos caminhos desta vida com tanto esforço e dedicação. Muito pelo contrário. Os idosos são abandonados, muitas vezes literalmente, em suas casas ou na rua, pelos seus próprios filhos. Filhos estes cuja obrigação era cuidar de seus pais, proporcionar-lhes o cuidado, carinho e descanso tão merecido após tantos anos de trabalho.

Quantos de nós já não vimos idosos sentados no banco de jardim, sozinhos, desamparados, com um olhar triste e perdido num mundo que não reconhece o valor dos seus anos, da sua sabedoria? Quantos de nós já não vimos notícias de idosos que vivem em condições deploráveis, sem água, luz, gás e mesmo comida? Quantos de nós já não ouvimos histórias de idosos espancados, maltratados e roubados pelos seus próprios filhos, as mesmas pessoas que os deviam proteger?

Agora pergunto… se os próprios filhos não os protegem quem o faz? Quem dá valor às histórias que eles contam, as peripécias que já viveram? A quem passaram eles a sua sabedoria? A quem darão eles os seus sábios conselhos?

De certeza que a grande parte de vocês já aconteceu a seguinte situação. Estarem numa paragem de autocarro ou num qualquer estabelecimento público e, de repente, uma senhora já de idade, ou um senhor, meter conversa convosco. Certo? Ela, ou ele, começar a falar sobre o tempo, depois passar para os filhos, os netos… sem esquecer uma ou outra peripécia que tenha acontecido na sua juventude… E a típica frase “isto no meu tempo não era nada assim”. E nós, ali sentados a seu lado, não conseguimos dizer mais nada a não ser “pois…” quando a conversa começa a entrar no campo pessoal…
Será esta vontade de conversar apenas simpatia ou uma forma de combater a solidão, nem que seja apenas por breves minutos? Conversar com alguém, mesmo que seja um completo desconhecido, de forma a afastar a tristeza e a amargura, pois não sabe quando poderá ter uma outra oportunidade de contar algumas coisas sobre si mesma, transmitir alguma sabedoria quiçá.

Entristece-me pensar que estes momentos de conversa esporádicos podem ser os únicos instantes de companhia e alegria que eles têm, momentos importantes para eles, mas que para os outros que ouvem não têm qualquer relevância.

E a vocês isto entristece-vos? E que mais vos entristece?

15 comentários:

pepita chocolate disse...

Este teu post fez-me lembrar o provérbio: Filho és, pai será. Assim como o fizeres, assim o acharás".

Maltratar um idoso é tão cruel como maltratar uma criança. Seres frágeis devem ser protegidos.

Se há coisas que me doem o coração, os maus-tratos a idosos é uma delas.

Beijoca!

Nês disse...

Fizes-te-me pensar com este magnifico post...Pois mais tarde iremos dar valor, quando se tratar de nós, pessoalmente não tenho conhecimento de uma situação destas :)


bjnhoo

Ps. A musica Let me go Home de Michael Buble que metes'te aqui no blog recordou-me bons momentos. Boa escolha :p

Buxexinhas disse...

Bonito texto... Eu sou bastante suspeita porque adoro idosos... Já tirei alguns cursos dedicados a esta faixa etária... O que mais me entristece é muitas vezes passarmos por um banco de jardim e vê-los sozinhos e tristes... A solidão mata qq um especialmente nesta idade em que o objectivo principal e só e simplesmente viver mais um dia!!! Eles têm tanto que nos ensinar, tanto carinho para dar e receber, uma simples palavra um simples abraço vale para eles menos um minuto de solidão!!! Pena que muitas vezes apenas olhamos e não VEMOS!!! :) Beijinhos

P.S. Fica aqui uma música de Mafalda Veiga que tão bem retrata tudo isto...
http://www.youtube.com/watch?v=qtEYzFuEYB8

Aninhas disse...

Pepita chocolate...

É verdade... muitos de nós esquecem-se que mais tarde ao mais cedo podemos seremos idosos... Como se diz, o que vai volta...

Bjx

****

Nês...

Eu tenho. Aqui na minha terra há muitos idosos sozinhos... Os filhos estão fora e não se preocupam se os pais estão bem ou não! Só se preocupam quando eles morrem e esta preocupação geralmente está centrada nos bens que vão receber... É triste!

Bjx

****

Buxexinhas...

É verdade... é um abraço e uma palavra são coias tão fáceis de dar não é?

Bjx

Martinha disse...

Isto é só mais um aspecto que me faz ter vergonha da nossa sociedade! :/

S* disse...

Tenho a minha avó materna e amo-a de paixao. Tento sempre conversar muito com ela exactamente para ela se sentir querida. Tentamos que ela se sinta útil e continue lúcida - fundamental.

Arrepiam-me aquelas pessoas que maltratam os seus velhotes. Cambada de arruaceiros.

Aninhas disse...

Martinha...

Pois é... Temos muito de evoluir ainda...

Bjx

****

S*...

A minha avózinha também é uma querida... :-) Temos uma trabalheira com ela, pois aos 84 anos ainda vai para as terras trabalhar e é capaz de lá ficar uma data de tempo... Mas pronto...

Arruaceiros é dizer pouco, muito pouco...

Bjx

Black Horse disse...

Foi um prazer enorme visitar o seu cantinho, bastante acolhedor por sinal :) Parabéns!
Quanto ao post, se há coisas que me tiram do sério é ver alguém maltratar pessoas de idade, ou vê-los tristes, sós e abandonados. Eu tive o privilégio de, durante muitos anos da minha vida, ter a companhia daquele que foi, sem dúvida nenhuma, o meu melhor Amigo. Daqueles que está lá, no sítio certo, na hora exacta,quando mais precisamos - essa pessoa foi o meu avô. Tanto os meus avós paternos, como os maternos, tiveram uma velhice 'abençoada', mimados por toda a família, e hoje, estejam eles onde estiverem, sei que olham por mim como se ao meu lado, presentes, estivessem. Sei também que, infelizmente não acontece assim com a maioria dos idosos. Mas as pessoas esquecem-se que, se Deus quiser, todos iremos por lá passar, e o que fazemos hoje, pode-se reflectir no amanhã. Embora haja pessoas que pensem que ser (passo a expressão) 'velho', é ser esquecido. Não! Errado. Eles são a marca do nosso passado. A sabedoria que nos transmitem com as suas historias de vida. Nós apenas temos que ser o seu seguimento, e por em pratica, o que eles nos ensinaram. Não é à toa que dizem que os avós, são pais duas vezes. Por tudo isso, e porque, humanamente deveríamos ter sempre respeito, afecto e carinho pelos mais velhos,é que quando perdemos um idoso é como se perdessemos parte do passado.

*

Daniela disse...

Dá que pensar este tema.
Também já me aconteceu essa situação que contas, numa paragem de autocarro. E nunca sei dizer mais nada além de "pois".
Mas às vezes é tão giro ouvir as histórias deles, principalmente quando começam a contar a forma como conquistaram a mulher ou como iam aos bailes dançar com os moços. Gosto tanto de ouvir esse tipo de histórias.

Apesar de haver pouco respeito pelos idosos, olha que por vezes são eles que também não respeitam os mais novos. Às vezes, nos transportes públicos, oferecem-lhes lugares e alguns nem sequer agradecem...

bjinho

Aninhas disse...

Black Horse...

Não acrescento nem mais uma palavra ao teu comentário...
Eu sou defensora que a vida é como um boomerang, ou seja, o que vai volta... Essas pessoas (se é que têm o direito de serem chamadas assim) que abandonam e maltraram os mais idosos, quando, e se, chegarem a essa idade abençoada e estiverem sozinhos, desamparados vão saber o que fizeram sofrer os outros...
Sei que não é bonito desejar mal a outros, mas se há coisa que não suporto é maus-tratos a pessoas que já não têm força para se defenderem...

Bjx e obrigada pela visita :-p

Bjx

****

Daniela...

Eles têm tantas, mas tantas histórias para contar. Histórias de outros tempos... :-)

Esses idosos de que falas, que são mais antipáticos, por assim dizer... Para mim são pessoas amarguradas, sozinhas, que não entendem o significado da palavra carinho e simpatia, talvez porque nunca as tenham sentido...

Bjx

Olhos Dourados disse...

É triste sim, mas também os há que se recusam a sair de suas casas que não têm condições e ir viver com os filhos, por exemplo.

Anne disse...

adorei o teu post e concordo a 100%. por exemplo a minha sogra mora comigo e com o meu Z* mas o meu avô mora completamente sozinho, só tem dois filhos e um mora na Póvoa e outro ainda mais longe, na suíça. por isso é complicado para eles estarem tanto com ele como gostariam. faz me muita confusão mas por mais que queira estar algum tempo com ele não posso deixar a minha vida de parte tb. ate morava connosco não fosse ele ter um feitio um pouco... ... exigente demais. nada lhe agrada. apesar disso adoro-o e não deixo de me sentir culpada se bem que toda a gente diz que não me posso sentir assim. não é meu papel se formos a ver bem. mas o que posso fazr mais?
se toda a gente pensasse como tu o mundo dessas pessoas era bem melhor.
beijinho.

Pinkk Candy disse...

hello!
claro que me entristece e muito. a velhice é 'lixada' desculpa a expressão. é triste. muitas vezes solidão. desespero. angústia. às vezes penso, o que pensarão os velhotes, se já não vêm futuro para eles, será que pensam na morte e têm medo dela '(
por outro lado, é bom chegar a velho, pois é sinal que se viveu muitos anos, porque há tantos jovens a irem antes do tempo...

xoxo

Pinkk Candy disse...

hello!
claro que me entristece e muito. a velhice é 'lixada' desculpa a expressão. é triste. muitas vezes solidão. desespero. angústia. às vezes penso, o que pensarão os velhotes, se já não vêm futuro para eles, será que pensam na morte e têm medo dela '(
por outro lado, é bom chegar a velho, pois é sinal que se viveu muitos anos, porque há tantos jovens a irem antes do tempo...

xoxo

A Gata Christie disse...

Entristece-me, sem dúvida. Da mesma forma que me entristece saber que há crianças abandonada, violentadas, espancadas, exploradas; saber que há mulheres que são espancadas pelos homens que escolheram amar; saber que há animais que são abandonados e maltratados... Há tanta coisa que me entristece...